Criado em 11 Fevereiro 2016

Paraná tem 25 casos confirmados de zika e 11 de chikungunya

Mariana Franco Ramos - Equipe Folha - 11/02/2016 -- 08:45


O Paraná tem 25 casos confirmados de zika, segundo boletim epidemiológico atualizado ontem pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Destes, 11 são importados e três autóctones, isto é, foram contraídos no próprio município do paciente. Duas situações foram verificadas em Colorado (Noroeste) e uma em Londrina (Norte). As outras 11 ainda estão em investigação, para determinar a origem, e por isso não constam da tabela divulgada pela Sesa.

Até então, a secretaria só havia confirmado dois casos de zika. Conforme já adiantado na semana passada pelo chefe da pasta, Michele Caputo Neto, o aumento no número é resultado de uma nova metodologia utilizada desde o início de fevereiro pelo Laboratório Central do Estado (Lacen), que faz o diagnóstico simultâneo dos três vírus transmitidos pelo Aedes aegypti – também da dengue e da chikungunya. A tecnologia ampliou a capacidade de análise do Lacen de 60 para 1,4 mil testes semanais. De acordo com a Sesa, até ontem foram realizados 980 exames, das três doenças.

"A partir da confirmação dos novos casos de zika no Paraná, o Estado amplia a investigação para determinar se há registros de infecção em gestantes, qual a procedência dessas pessoas e se há necessidade de monitoramento pelas equipes de saúde", explicou em nota a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide Oliveira. Não há, por enquanto, relatos de microcefalia associada ao vírus. Os mesmos testes também possibilitaram a ampliação na quantidade de confirmações de chikungunya, de dez para 11 neste período. Apenas um deles é autóctone – foi contraído no município de Mandaguari, na região de Maringá (Norte).

Em relação à dengue, o número de situações subiu 39,55%, de 3.444 para 4.806, sendo 586 importadas de outras localidades. Em 182 municípios já foram detectados casos da doença. A incidência no Estado é de 37,80 por 100 mil habitantes, considerada baixa pelo Ministério da Saúde (MS). Há, contudo, 14 cidades em epidemia (incidência maior que 300 por 100 mil habitantes), três a mais do que no boletim anterior.

Os municípios de Santa Terezinha de Itaipu, Tapira e Rolândia entraram na lista. Já Rancho Alegre, Munhoz de Mello, Assaí, Paranaguá, Santo Antônio do Paraíso, Cambará, Santa Isabel do Ivaí, Itambaracá, Nova Aliança do Ivaí, Mamborê e Guaraci seguem como epidêmicos. Paranaguá (931), Foz do Iguaçu (657) e Londrina (441), por sua vez, lideram o ranking de notificações.

MORTES

Também ontem, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMS) confirmou a primeira morte por dengue na cidade no ano. Trata-se de um caso importado. Segundo a prefeitura, Luiz Flauzino Gomes, de 65 anos, era natural da capital paranaense, mas tinha viajado ao Paraguai, local com alta incidência da doença neste momento. De acordo com a assessoria de imprensa da SMS, ele foi internado no Hospital São Vicente, em Curitiba, no dia 4 de fevereiro. No entanto, a dengue evoluiu para a forma hemorrágica e Gomes acabou indo a óbito na madrugada de anteontem.

Na sexta-feira passada, a gestão municipal confirmou a identificação do primeiro caso de zika vírus, referente a uma mulher que viajou para o Rio de Janeiro e foi atendida num serviço de saúde da Regional Matriz. Segundo a secretaria, a paciente não está grávida e apresenta boa recuperação. A Sesa informou que o atual período epidemiológico totaliza seis mortes por dengue no Paraná. As demais aconteceram em Paranaguá (quatro) e Foz do Iguaçu (uma). Outros nove casos ainda estão em investigação.

Bonde

 
Criado em 19 Janeiro 2016

As crianças vêm sofrendo cada vez mais de dores nas costas e um dos fatores por trás disso é a má postura durante a utilização dos aparelhos celulares, segundo o neurocirurgião Vinicius Benitez, especialista em doenças da coluna. "O que se observa é que há realmente um aumento em queixas de jovens com dores cervicais nos últimos anos", constata.

Esse problema pode ter consequências sérias para as crianças. "Imediatamente, isso causa dores musculares e cansaço. Em longo prazo, pode se perpetuar e se transformar em uma dor crônica. Qualquer dor que dure mais de dois meses é considerada crônica", explica o médico. Ele recomenda trocar de posição com frequência ao utilizar os eletrônicos e, se possível, levantar o celular na altura da cabeça para não prejudicar a região cervical.

O neurocirurgião Alexandre Elias, especialista em coluna do Hospital 9 de Julho, confirma que "uma fonte de dor é ficar olhando para baixo ao usar o celular, e outro perigo que se vê hoje é digitar enquanto caminha". De acordo com ele, a má postura não apenas causa desconforto, mas pode também levar ao agravamento de situações já existentes, como uma hérnia. Em alguns casos, a prática pode piorar uma dor prévia e exigir até uma operação.

Segundo os especialistas, é necessário fazer pausas a cada 40 minutos pelo menos, e não há uma forma de usar os aparelhos por tempo prolongado sem acarretar dores. "O ideal é não ficar horas na mesma posição, isso vale não só para o celular, mas também para pessoas que trabalham sentadas no computador", indica Elias.

"A má postura ou posição viciosa acelera o processo degenerativo que já ocorre naturalmente", explica Benitez, que enfatiza a necessidade de crianças e jovens praticarem exercícios físicos como forma de prevenção para esse tipo de problema.

O médico ressalta que a musculação é permitida apenas a partir dos 16 anos. "Pode ser uma atividade na água, com bola ou qualquer outra, desde que a criança goste. Ela não pode ser obrigada", defende.

O sedentarismo pode ser um agravante para as dores nas costas, pois, de acordo com Elias, a musculatura ao redor da coluna é muito frágil. "Quem pratica atividades físicas tem uma estrutura mais adequada para proteger a área", diz.

A obesidade pode atrapalhar também os adultos, que já podem recorrer à musculação, mas o médico alerta para os cuidados que deve-se tomar ao iniciar uma rotina de exercícios. "Deve ser feito sempre com a orientação de um profissional e aos poucos para não danificar a coluna", aconselha.

 

Bonde

 
Criado em 04 Janeiro 2016

Chega o verão e com ele a presença constante de insetos, principalmente os mosquitos. São muitas as pessoas que sofrem com alguma irritação causada por esses visitantes indesejáveis, seja por coceira, dor, ou até mesmo por aquele zunidos em volta do travesseiro.

Você pode aliviar esses incômodos com alguns remédios naturais, que substituem o uso de cremes e pomadas.É importante lembrar que em casos de reações alérgicas ou suspeita de dengue, é indispensável a avaliação de um médico.

Veja algumas dicas:

Casca de Banana - Esfregue a parte interna da casca na área afetada, isso fará que o local desinche e diminuirá o incômodo. Também pode ser usada para estancar sangramentos e na cicatrização de feridas. Além disso, essa é uma maneira sustentável de aproveitar por inteiro a fruta.

Manjericão - Amasse as folhas para extrair o líquido de cor escura que elas reservam. O óleo da erva alivia a alergia causada por picada de insetos, porque contém cânfora e timol, propriedades usadas no alívio de coceira.

Mel - Passe um pouco na picada para amenizar a irritação. Ele irá desinchar a pele, já que dificulta a coceira no local. O produto traz diversos benefícios, por ser composto por substancias antibacterianas e anti-inflamatórias.]

Gelo - Faça uma compressa com pedras de gelo ou com água gelada. As fibras da pele "congelam" isso faz com que a dor e o inchaço diminuam. Essa dica vale para picadas de mosquitos, abelhas e formigas. Não opte em fazer compressa com água quente, porque ela estimula o organismo a produzir histamina, substância responsável pela resposta alérgica do corpo.

Leite e Água - Deve ser preparado com os dois ingredientes bem gelados, em quantidades iguais: 100 ml de água para 100 ml de leite, por exemplo. Depois que a mistura estiver pronta, aplicar sobre a área da picada com um pedaço de tecido. Em pouco tempo, o inchaço, a dor e a coceira serão reduzidos. Pode ser usado também em casos de queimaduras causadas pelo sol. É importante lembrar que pessoas com intolerância à lactose não devem fazer esse procedimento. (Com informações Ciclo Vivo/ http://ciclovivo.com.br)

Reprodução

 

Bonde

 
Criado em 16 Dezembro 2015

Saiba como a questão pode impactar o trabalho e quando é preciso comunicar os superiores

A depressão pode prejudicar a capacidade de a pessoa trabalhar e estudar, pode ocorrer desde um alentecimento do raciocínio, passando por dificuldades de concentração, até uma vontade de "passar o dia inteiro deitada na cama". A depressão se caracteriza por uma constelação de sintomas e sinais incluindo: 

- sensação de tristeza, vazio ou falta de esperança a maior parte do tempo 
- grande diminuição da capacidade de sentir prazer ou do interesse em todas ou quase todas as atividades 
- aumento ou diminuição de apetite 
- insônia ou excesso de sono 
- agitação ou retardo psicomotor 
- fadiga e perda de energia 
- sentimento de inutilidade, culpa excessiva ou inadequada 
- capacidade diminuída de pensar, de concentrar-se ou indecisão 
- pensamentos de morte recorrentes, ideação suicida, tentativa de suicídio ou plano específico de cometer suicídio 

Divulgação

 

Comunicar ou não aos superiores

Tratada a depressão, seu rendimento voltará ao normal
 
Comunicar ou não o estado da pessoa aos seus superiores é uma questão complicada. Dependendo dos chefes, pode haver compreensão e mesmo estímulo no sentido de a pessoa se tratar. Entretanto, mesmo hoje em dia, há pessoas que têm preconceitos contra os transtornos psiquiátricos e consideram a depressão como uma espécie de fraqueza ou mesmo preguiça. 

Se a depressão interferir na segurança da pessoa ou na de outros, é conveniente comunicar o problema aos superiores. Caso não seja este o caso, cabe à pessoa decidir. Uma coisa é certa: o médico jamais deve divulgar quaisquer dados a respeito do paciente, a não ser com expressa concordância deste. 

Em casos, por exemplo, em que há a necessidade de afastamento do serviço, cobertura dos custos do tratamento por planos de saúde ou afastamento pelo serviço de seguridade social, o médico deve advertir o paciente sobre a possibilidade de as informações caírem na mão de profissionais que não sejam da área de saúde (pois profissionais da área de saúde têm todos a obrigação de manter sigilo) e que este conhecimento pode trazer riscos para a estabilidade do emprego. 

Apesar de que, enquanto durar a doença e o tratamento, a pessoa não pode ser despedida, há patrões que não levam isto em consideração e, por outro lado, já houve casos em que, para não ter problemas trabalhistas, o patrão espera a melhora e, em seguida, desliga a pessoa de seu trabalho. 

Como conseguir fazer o dia render? 
Se a pessoa trabalhar numa área na qual o estado depressivo não traga riscos para ela própria ou para outros, ela poderá facilitar seu desempenho dividindo suas tarefas em vários segmentos. Por exemplo, um jornalista, nesta condição, ao invés de se lançar à produção de um texto jornalístico como um todo, deve proceder como um alpinista ao subir uma montanha, ou seja, só pensando em cada passo a ser seguido. Assim, o jornalista faz uma lista das pessoas a serem entrevistadas ou dos textos a serem lidos. Em seguida, lança-se apenas a uma tarefa que, por menor que seja, consiga executar, sem ter maiores ambições. 

Se conseguir apenas fazer a lista, num dado dia, pare por aí. Se, num outro dia, entrevistar uma das pessoas ou mesmo só marcar o horário da conversa, já deve admirar o seu trabalho pois, para alguém em depressão, todo esforço deve ser elogiado. Se sentir-se um pouco melhor fazendo intervalos entre cada tarefa, deve se permitir esta atitude. Assim, passo a passo, lentamente, a pessoa consegue realizar seu trabalho. Tratada a depressão, seu rendimento voltará ao normal. 

Finalmente, colegas e superiores que souberem do estado da pessoa devem ser compreensivos e insistir para que a pessoa se trate. Há bons tratamentos para a depressão e, se os superiores e colegas tiverem a devida paciência, geralmente, no espaço de algumas semanas ou meses terão de volta o funcionário com toda a sua capacidade de trabalho. 
(com informações do site Minha Vida)Bonde

 

 
Criado em 04 Dezembro 2015

Com a epidemia de dengue e a explosão de casos de microcefalia relacionados ao zika vírus, o laboratório fabricante do repelente considerado o mais efetivo no combate ao mosquito Aedes aegypti aumentou em 200% a produção do item entre 2014 e 2015 e já prevê a necessidade de novo planejamento do processo de fabricação frente à ameaça de disseminação da zika para todos os Estados brasileiros.

"A alta na demanda já vem do início do ano, por causa da epidemia de dengue. Chegamos a ter problemas no fornecimento. Com base nisso, refizemos nosso planejamento para produzir 200% a mais para esse verão. Mas, desde a confirmação do Ministério da Saúde de que há relação entre zika e microcefalia, nossa demanda cresceu ainda mais e estamos aumentando nossa produção", conta Paulo Castejón Guerra Vieira, presidente do laboratório Osler no Brasil, produtor do repelente Exposis.

Segundo médicos, a marca é mais potente contra o mosquito por causa do princípio ativo, a icaridina, e da concentração dele no produto (25%). "É uma concentração mais alta do que os outros repelentes no mercado e o princípio também é outro. Os mais populares são feitos com DEET", diz o infectologista Celso Granato, diretor clínico do laboratório Fleury.

Grávida de quatro meses, a jornalista Marina Braga, de 34 anos, tem passado diariamente três tipos de repelente da marca. "Primeiro passo o produto em gel, depois 'selo' com o spray, me visto, e passo o repelente específico para roupas", conta ela, que já enfrenta dificuldade de encontrar o produto nas farmácias. "Na primeira vez que comprei, ainda não havia tanta divulgação da zika e encontrei com facilidade. Na semana passada, fui tentar comprar e estava em falta", diz.

Vieira afirma que o laboratório já entrou em contato com os fornecedores para aumentar a produção e, apesar de casos pontuais de desabastecimento, não deverá haver esgotamento do item. "Montamos uma operação de guerra para continuar a oferecer o produto."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo./Bonde

Divulgação

 

 
Criado em 23 Novembro 2015

Já é sabido que frutos secos, também conhecidos popularmente como castanhas ou oleaginosas, são essenciais para a manutenção da saúde. No, entanto, será que seu consumo é feito do jeito certo? Qual seria o modo ideal? Cada nutriente contribui para qual parte do organismo? Um compilado de estudos das áreas de endocrinologia, bromatologia e nutrição publicado pelo jornal espanhol El País, da mesma responde essas perguntas.

Segundo recomendação da OMS, eles devem ser incluídas na refeição de um adulto diariamente. Ricos em gordura boa e ômega 3, embora não façam milagres e curem sozinhos, agem como uma cápsula cheia de nutrientes concentrados que contribuem para o bom funcionamento do organismo.

No entanto, o que especialistas vêm tentando alertar é para a forma de consumo, que se não for feita da maneira correta, diminui a eficácia.

Como consumir frutos secos? 

Já amplamente divulgados, os frutos secos fazem bem. Mas, os recentes estudos mostram que, no ocidente, eles são geralmente consumidos como aperitivos, fritos e salgados, e essas características diminuem a atividade dos nutrientes.

O que os estudiosos explicam é que o ideal é incluí-los como um alimento comum, usado no dia a dia como ingrediente das refeições. Entre os exemplos estão as saladas, o arroz e as carnes em molho. No total, até 50 gramas devem ser ingeridas diariamente.

Quais frutos secos fazem bem?

O compilado mostra que a combinação de oito tipos de frutos pode agir no combate de males que afetam a saúde a o desempenho de um indivíduo, entre eles estão:

  • Nozes
  • Avelãs
  • Amêndoas
  • Pistache
  • Macadâmia
  • Amendoim
  • Castanha de Caju
  • Pinhão

Frutos secos são bons para quê?

Diabetes: a combinação de castanhas de caju, pinhão, pistache e amêndoas pode auxiliar até no combate ou controle da diabetes. Isto por que são ricas em minerais essências para evitar a resistência à insulina.


Dor nos ossos: dor nos ossos geralmente é associada à falta de cálcio. Pinhões e amêndoas carregam alta quantidade do nutriente, além do zinco, que é capaz de favorecer a formação dos ossos.


Colesterol Alto: a combinação de amêndoas, avelãs e nozes pode contribuir para a saúde cardiovascular. Os flavonoides e os ácidos graxos presentes nos frutinhos controlam o colesterol, diminuem a pressão arterial e previnem outras doenças que afetam o coração.


Constipação: o trio de composto por macadâmia, nozes e pistache é rico em fibras vegetais, nutriente que estimula o funcionamento do intestino. Suas substâncias ainda reduzem o risco de câncer de cólon.


Perda cognitiva: avelãs e amêndoas podem, já que auxiliam na prevenção de doenças cardiovasculares e da diabetes, favorecer a função cognitiva e evitar o aparecimento da demência.


Sobrepeso: para quem quer barrar sobrepeso, as amêndoas, nozes e avelãs podem ser boas amigas como opções para lanches, já que aumentam consideravelmente a sensação e saciedade e, portanto, induzem a pessoa a comer menos.


Envelhecimento precoce: ricas em antioxidantes, fatores fotoprotetores e anti-inflamatórios, avelãs e amêndoas neutralizam os radicais livres e, portanto, o envelhecimento precoce das células.


Riscos da Gravidez: a dupla de amendoins e avelãs é rica em ácido fólico, nutriente essencial para a formação do feto que evita má formação e complicações posteriores.


TPM: pistache é amigo das mulheres que sofrem com irritabilidade e dor durante o período pré-menstrual. Isto porque ele é rico em vitaminas do complexo B, que ameniza os sintomas.

 
Criado em 29 Outubro 2015

O Ministério da Saúde deve publicar nesta sexta-feira (30) portaria para apoiar os estudos clínicos e a produção da fosfoetanolamina, conhecida como “pílula do câncer”. “Estamos colocando à disposição do professor responsável pela síntese dessa molécula a possibilidade de submeter a fosfoetanolamina a todos os protocolos para verificar se a substância é ou não eficaz e por fim a essa celeuma. Por isso, a recomendação do Ministério da Saúde é que as pessoas não façam uso dessa substância até que os estudos sejam concluídos”, orienta o ministro Marcelo Castro.
O grupo contará com o apoio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para orientar os pesquisadores na elaboração dos protocolos clínicos e documentações necessária e deverá contar com o apoio do Instituto Nacional do Câncer (Inca) para a realização de estudos clínicos e também da Fiocruz. Para isso será elaborado um plano de trabalho que prevê desde a caracterização da molécula, passando pelo desenvolvimento da formulação, produção de lotes de medicamentos experimentais seguindo as Boas Práticas de Fabricação (BPF) da Anvisa e realização de estudos pré-clínicos, ensaios clínicos e estudos de farmacovigilância.
“A grande preocupação do Ministério da Saúde é que as pessoas deixem de realizar o tratamento adequado e que tem sua eficácia comprovado e passem a usar um medicamento que não tem cientificamente uma comprovação de benefícios e efetividade comprovada”, alertou o ministro da Saúde, Marcelo Castro.
De acordo com a portaria, o grupo de trabalho será composto por representantes do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A coordenação da iniciativa será de responsabilidade de um representante da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde.
A previsão é de que o grupo tenha um prazo máximo de 60 dias para apresentar o plano de trabalho das fases de desenvolvimento do projeto. Os nomes dos integrantes do grupo devem ser indicados nos próximos dias.

 

 
Criado em 26 Outubro 2015

Os Benefícios da Vitamina C Para Saúde são grandiosos. Pois, A Vitamina C é um nutriente essencial para o nosso corpo, ricos em antioxidantes que nos ajudam a prevenir e a combate os radicais livres que são os principais responsável pelo envelhecimento precoce. Além disso, A principal função da Vitamina C é produzir e nutrir o colágeno, um nutrientes encontrados nos vasos da pele, ligamentos e no sangue. O Colágeno ajuda a manter as cartilagens, dentes e ossos saudáveis.

A Vitamina C fornece, de fato, muitos benefícios além desses. Além de potencializar a saúde de um modo geral em virtude de seu efeito antioxidante, a Vitamina C ainda possui funções que podem auxiliar na perda de peso e no ganho de massa muscular. Então, confira os 15 Benefícios da Vitamina C Para Saúde.

Benefícios da Vitamina C Contra Doenças Cardiovasculares: A Vitamina C é um dos melhores Antioxidantes que há, devido as suas propriedades, ela ajuda a diminuir o acúmulo do colesterol nas artérias, ajuda a prevenir e combate a arteriosclerose e a hipertensão arterial. portanto, o consumo de Vitamina C ajuda a diminuir dramaticamente o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como o temido infarto do miocárdio.

Benefícios da Vitamina C Contra o Stress:Vitamina C é capaz de provocar uma diminuição nos níveis de Cortisol, hormônio que é estimulado pelo estresse e que é responsável por muitos de seus efeitos nocivos.

Benefícios da Vitamina C no Tratamento do Câncer: Estudos realizados descobriram que um alto consumo de frutas e legumes ajudam a diminuir os riscos de vários tipos de câncer. Os estudos mostraram também que o aumento do consumo de Vitamina C está ligado a uma diminuição da possibilidade de ocorrer cânceres de pulmões, boca, cordas vocais, garganta, do cólon, do reto, do estômago e do esófago.

Benefícios da Vitamina C Para o Humor: A Vitamina C desempenha um papel fundamental na produção de neurotransmissores, como a norepinefrina. Eles afetar o humor de uma pessoa, e são fundamentais para o bom funcionamento do cérebro.

A Vitamina C Ajuda no Controle da Asma: O Vitamina C também ajuda a reduzir os sintomas de asma. pois, ajuda a proteger contra os efeitos prejudiciais de contaminação do corpo humano, o que muitas vezes resulta em sintomas semelhantes à asma.

Benefícios da Vitamina C Para Diabetes: Uma das principais razões para a Diabetes, encontrado em vários estudos, é devido aos baixos níveis de Vitamina C. Suplementos de vitamina C são benéficos no tratamento da diabetes, eles ajudam no processamento de insulina e glicose.

Benefícios da Vitamina C Para o Sistema Imunológico: AVitamina C é amplamente conhecida pela sua contribuição para o sistema Imunológico do corpo e a sua estimulação dos glóbulos brancos do sangue.

Benefícios da Vitamina C Para Beleza: As funções antioxidantes também trabalham em favor da beleza, combatendo efeitos indesejáveis do envelhecimento sobretudo na pele. A degradação da pele é retardada por níveis adequada de Vitamina C, prevenindo o aparecimento das rugas.

Benefícios da Vitamina C Para Hipertensão: Portadores de hipertensão estão em um alto risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. O consumo diário de Alimentos Ricos em Vitamina C ajuda na redução da pressão arterial do corpo.

os Benefícios da Vitamina C Para Saúde

Benefícios da Vitamina C Para Saúde dos olhos: Os olhos são estruturas severamente atacadas pelos radicais livres em virtude de sua constante e intensa exposição à luz. Nesse sentido, são especialmente beneficiados pela proteção da vitamina C, cujas propriedades antioxidantes evitam doenças como a catarata.

 

 
Criado em 16 Setembro 2015

Ela é a heroína em alguns casos, mas pode ser a pior inimiga em outros. Muito tem se falado sobre o quão saudável a chia é para o organismo humano. E é verdade. Ela possui uma série de benefícios, como perda de peso, desintoxicação, redução da ansiedade, do colesterol e triglicérides, previne o envelhecimento precoce, fortalece os músculos e previne a diabetes e doenças cardiovasculares. E também é muito nutritiva, pois contém proteínas, cálcio, ômega 3, magnésio, manganês, fibras, antioxidantes e muita energia.
– É um milagre. Mas não é bem assim. Para que o consumo seja mesmo “milagroso” é preciso tomar certos cuidados. Segundo o estudo “O impacto da semente de chia no esôfago” da Rebeca Rawl, médica do Centro Médico Carolinas (Nova Iorque, Estados Unidos), o grão pode absorver 27 vezes mais do que o peso dela em água. Por isso, a doutora recomenda “Ninguém deveria consumir essas sementes secas. “se você comer as sementes secas, sem deixá-las em algum líquido para que os absorva antes da ingestão, elas absorverão a água que existe no seu organismo, o que possibilitará uma oclusão”.
Segundo o estudo já mencionado da Dra. Rawl, existem alguns motivos pelos quais você não deve consumir a chia, sem antes consultar o seu médico. São eles:
Hipertensos: as pessoas hipertensas, que já estão medicadas, não devem consumir a semente, já que ela possui propriedades que baixam a tensão arterial, o que pode levar a hipotensão;
Hipotensos: pelos motivos explicados para os hipertensos, os hipotensos não devem consumir a chia. As pessoas que padecem dessa doença podem sentir alguns desconfortos, como dor de cabeça, cansaço e muito sono, isso se deve ao fato da semente reduzir ainda mais a pressão arterial, como diz um estudo do Hospital St. Michael´s, em Toronto, no Canadá;
Pessoas que estão se medicando com anticoagulantes: o grão de chia contém Ômega 3 que, ao ter efeitos anticoagulantes, potencializa o efeito da medicação. Segundo Homer Hartage, Chefe da Corporação de Alimentos Nuchia, “…é recomendado que você consulte um médico antes de consumir a semente.” E ainda alerta que os hemofílicos devem ficar longe dela, já que pode ocasionar hemorragias e hematomas pelo corpo;
Diabéticos: se está tomando remédio para reduzir os níveis de açúcar no sangue, é melhor não consumir a chia, já que ela possui o mesmo efeito da medicação;
Pessoas operadas no trato gastrointestinal:se sofreu uma operação seja no estômago, no cólon ou no intestino é melhor evitá-la. Pois a semente facilita o trânsito intestinal;
Diarreia: contraindicado para as pessoas que estão com diarréia, já que facilita o trânsito intestinal.
Doença Diverticular: deve-se evitar o consumo do grão pela quantidade de fibras que possui.
Síndrome do Intestino Irritável: nesse caso, deve-se evitar o consumo de qualquer semente.
Câncer: segundo estudos realizados pelo Journal of Molecular Biochemistry, o consumo do grão diminui o risco de câncer de mama e de colo do útero. Porém, em 2009, a American Journal of Clinical Nutrition concluiu que existe um risco, ainda que pequeno, de que o consumo da semente possa desenvolver câncer de próstata.
As terapias naturais podem resolver uma série de doenças, é verdade. Mas não devemos olhar somente para o lado positivo delas.
Segundo a Dra. Catherine Ulbricht, fundadora da Natural Research Standar Collaboration, “As pessoas acham que, com as terapias naturais, elas podem consumir o quanto elas desejam porque é natural, mas existem muitos efeitos adversos como em qualquer terapia”, e conclui: “tudo o que entra no seu organismo causa uma ação e uma reação. Nada é 100% benéfico”.

 

 
Criado em 07 Setembro 2015

Cientistas da Universidade de Stony Brook, nos Estados Unidos, descobriram que dormir de lado ajuda a diminuir as chances de desenvolver Alzheimer, Parkinson e outras doenças neurológicas. Segundo o estudo, publicado no "Journal of Neuroscience", o cerébro consegue eliminar resíduos com mais eficiência quando se dorme nesta posição do que de costas ou de bruços. A pesquisa foi realizada em ratos, cujo cérebro é similar ao dos humanos. 

O cérebro tem um sistema complexo para limpar soluções químicas prejudiciais que funciona de forma parecida com o sistema linfático, denominado de "sistema glinfático" por pesquisadores da Universidade Rochester em 2012. Este sistema possui uma espécie de "encanamento" para fazer a "drenagem" de substâncias indesejadas. O nome vem das células glia, do cérebro, que administram este sistema. Cientistas de Rochester também ajudaram no estudo. 

"Com essa descoberta, acreditamos que a postura do corpo e a qualidade do sono devem ser consideradas nos diagnósticos e ajudar no entendimento sobre a limpeza de proteínas prejudiciais ao cérebro que podem contribuir ou causar doenças neurológicas", afirmou Helene Benveniste, da Universidade de Stony Brook. Ela lembra que, apesar da descoberta, ainda é preciso fazer testes em humanos. Helene e seus colegas usaram ressonância magnética de contraste dinâmico para observar esse sistema. 

Os resíduos do cérebro incluem amiloides e proteínas tau, substâncias químicas que afetam o processamento do cérebro de forma negativa quando se acumulam. Já os cientistas da Universidade de Rochester contribuíram usando microscopia fluorescente e marcadores radioativos para validar os dados da ressonância e analisar a influência da postura na eliminação de amiloides do cérebro. 

A posição de lado para dormir é a mais comum entre os humanos e muitos animais. "É interessante que a posição lateral para dormir já é a mais popular nos humanos e na maioria dos animais - mesmo os selvagens - e parece que nós nos adaptamos à posição justamente para limpar nosso cérebro com mais eficiência dos resíduos metabólicos que produzimos quando estamos despertos", diz Maiken Nedergaard, da Universidade de Rochester. 

Segundo ela, o estudo dá subsídio ao conceito de que dormir tem uma função biológica distinta de 'arrumar' a bagunça acumulada enquanto estamos despertos. "Muitos tipos de demência estão ligados a distúrbios do sono, inclusive dificuldades em começar a dormir. 

Também está aumentando o conhecimento de que os distúrbios do sono podem acelerar a perda de memória na doença de Alzheimer. Nossa descoberta traz um novo insight sobre o assunto ao mostrar que a posição em que você dorme é importante", explica. 

 

Divulgação

Bonde

 

Pagina 3 de 15

<< Iniciar < Ant 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próx > Fim >>