Criado em 15 Março 2018

queimaduras sofridas por uma criança de um ano em uma creche de Campo do Tenente, na Região Metropolitana de Curitiba, devem ter sido provocadas por água, afirmou nesta quarta-feira (14) o cirurgião plástico José Luiz Takaki, que atendeu o bebê no Hospital Evangélico de Curitiba.

Segundo ele, a maior probabilidade é de que a água tenha sido espirrada no corpo do menino. Se fosse outro líquido, as queimaduras poderiam ser mais graves, disse o médico. A criança teve queimaduras de segundo grau superficiais nas mãos, umbigo, parte da coxa e no órgão genital.

Conforme a Secretaria de Educação, o menino foi queimado quando uma estagiária da Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Pequenos Brilhantes dava banho nele na sexta-feira (9). A professora afirmou que estava na sala de aula, cuidando de outras seis crianças.

Os pais contestam a versão da secretaria. "Eu fiquei chocado, não consigo acreditar que foi um chuveiro. Eu acho que eles pegaram ele no colo com um copo e acabou derramando alguma coisa", afirmou Pedro Maciel Ribeiro, pai do menino, no sábado (10).

A direção da creche alegou que houve um problema no chuveiro da unidade, que esquentou demais a água e a estagiária não percebeu. O aparelho foi trocado nesta semana e ninguém soube dizer onde foi colocado.

A diretora da creche, a professora e a estagiária estão afastadas das funções enquanto um processo administrativo apura o caso, conforme a secretaria.

O estado de saúde da criança é considerado estável. O médico contou que ele deve seguir internado, sem previsão de alta.

 

Investigação

De acordo com o promotor Juliano da Silva, que apura o caso, até esta quarta-feira sete pessoas prestaram depoimento ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), em Rio Negro, também na Região Metropolitana de Curitiba.

Ele informou que deu prazo de 15 dias para que a prefeitura encaminhe documentos e o Instituto Médico-Legal (IML) conclua o laudo das lesões corporais da criança. O prazo começa a contar a partir das notificações, que devem ocorrer na quinta-feira (15).

Segundo o promotor, ele tem prazo de 90 dias para encerrar o procedimento investigatório, mas prevê que a conclusão saia em 30 dias.

G1

 
 
Criado em 15 Março 2018

pós pagar fiança de R$ 500, o pai que bateu no filho de um ano e oito meses com um galho de árvore, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, foi solto na manhã desta quarta-feira (14). O valor foi estabelecido pela Justiça em uma audiência de custódia realizada na terça-feira (13).

O caso aconteceu na segunda-feira (12), na Colônia Dona Luíza, e o homem, de 25 anos, foi preso em flagrante após uma denúncia anônima.

A mãe, de 18 anos, chegou a ser levada para a delegacia. Ela foi ouvida e liberada em seguida.

No mesmo dia da ocorrência, o Conselho Tutelar foi acionado e a criança foi entregue aos cuidados da avó paterna.

Ela continua com a avó, e os pais podem visitá-la. Uma possível reintegração à família ainda depende da conclusão das investigações que vão apurar, por exemplo, se a mãe foi conivente com a atitude do pai.

 

Pai disse que bateu ‘para educar’

 

Em depoimento à polícia, o pai disse que o ato foi 'para educar' o menino, que teria fugido do pátio de casa para a rua. Ele afirmou, ainda, que perdeu a cabeça e que bateu entre cinco e seis vezes no filho com a vara.

A agressão, conforme a PM, aconteceu na rua e machucou as costas da criança. O Conselho Tutelar foi chamado e, conforme o órgão, houve um excesso de violência por parte do jovem.

De acordo com o delegado Marcus Vinícius Sebastião, o entendimento é de que houve o crime de tortura.

"Violência contra crianças é crime. Existem outras formas de educação. Ainda mais por se tratar de uma criança que não tem entendimento. Se a criança fugiu, o que não ficou comprovado, é mais um ponto de negligência e de descuido", acrescenta o delegado.

 

 
Criado em 14 Março 2018

O Brasil está mais triste. Quem garante isso é a ONU (Organização das Nações Unidas), em um relatório publicado nesta quarta-feira (14), que vê o País cair da 22ª posição do informe do ano passado para a 28ª posição na edição de 2018. 

Pelo estudo, liderado pelo economista Jeffrey Sachs, a Finlândia é o "país mais feliz do mundo". Na outra ponta do ranking de 156 países está o Burundi. 

A classificação leva em conta a pontuação uma pesquisa de opinião com a população local conduzida pela Gallup World Poll, mas também o Produto Interno Bruto (PIB) per capta, programas sociais, expectativa de vida, liberdades sociais, generosidade da população e índices de corrupção.

 
 



Os escandinavos dominam as primeiras posições. Além da liderança finlandesa, o ranking traz a Noruega no segundo lugar, seguido por Dinamarca e Islândia. 

Os Estados Unidos também caíram, da 14ª para a 18ª posição. O Reino Unido vem na 19ª colocação, seguido pelos Emirados Árabes. 

No caso do Brasil, o País somou 6,4 pontos no ranking final, contra 6,6 pontos na classificação do ano passado. 

O informe, que cobre o período entre 2015 e 2017, mostra que 36% dos brasileiros revelaram nas pesquisas que sua renda não atendia todas suas necessidades básicas - 15% da população afirmou ter sido alvo de violência, um fator que teria pesado negativamente para o Brasil. 

A pesquisa também apontou que mais de 15% dos brasileiros "aspiravam" deixar o País, uma taxa superior à da Argentina. 

No informe que cobria os anos 2014 e 2015, o Brasil era "mais feliz" do que França, Espanha e Itália. 

No caso da América Latina, os autores do informe apontam que as pesquisas revelaram a importância que os entrevistados deram para a relação com amigos e a visita requente a parentes.

Agência Estado
 
Criado em 31 Janeiro 2018

A partir de quinta-feira (1º), os condutores paranaenses poderão acessar a versão eletrônica da Carteira Nacional de Habilitação (CNH-e) pelo celular. O documento tem a mesma validade e valor jurídico do modelo impresso, além de representar maior comodidade e segurança ao motorista. 

 
"A CNH eletrônica armazena todas as informações do documento tradicional, mas é preciso ficar atento ao funcionamento do celular. Em uma fiscalização, se o aparelho estiver descarregado, será considerado que o motorista não está de porte da CNH", explica o diretor-geral do Detran-PR, Marcos Traad. 

"O Paraná vai cumprir a resolução federal, mas tem preocupações quanto à funcionalidade e aplicabilidade do serviço. Por isso, nossa orientação é que o condutor continue usando também a CNH impressa", completa ele.
 
A carteira eletrônica pode ser acessada offline, sem necessidade de conexão com a internet, mas não é possível acessar mais de uma CNH em um único dispositivo. 

A adesão é opcional e pode ser feita através de um cadastro no Portal de Serviços do Denatran. Depois, a visualização é feita por um aplicativo gratuito, que pode ser baixado nos aparelhos com sistema Android e IOS. 

 
Quem pode usar 

O serviço só está disponível para motoristas que tenham a versão da CNH impressa com o QR Code na parte interna. O código escaneável em aparelhos eletrônicos é encontrado nas CNHs emitidas a partir de 2 de maio de 2017. Quem não tem esta versão impressa, pode emitir a segunda via do documento (R$ 82,36) ou esperar o prazo de renovação da habilitação. 

Quanto custa 

O acesso à versão eletrônica é gratuito, bem como a adesão ao sistema do Denatran e o download do aplicativo CNH Digital, na App Store e Google Play. 

Passo a passo para solicitar: 

1- Atualizar o cadastro no Detran, informando e-mail e telefone. 
2- Acessar o Portal de Serviços do Denatran e realizar o cadastro. 
3- Ainda no Portal de Serviços do Denatran, abrir o menu "CNH Digital" e clicar em "Ativação" para receber o e-mail com o código de autenticação. 
4- Baixar o aplicativo "CNH Digital" no celular. O primeiro acesso será com o código de autenticação, depois será possível gerar uma nova senha com quatro dígitos. 
Certificação digital: Quem tiver um certificado digital, como o e-CPF, não precisa comparecer a uma unidade de atendimento do Detran para a atualização de dados e pode fazer a solicitação diretamente no portal do Denatran, seguindo as etapas a partir do passo 2.

Redação Bonde com AEN
 
Criado em 31 Janeiro 2018

A União Europeia deu um ultimato para nove Estados-membros, inclusive a Itália, respeitarem as normas do bloco para limite de poluição atmosférica. Em reunião em Bruxelas, o comissário da UE para Meio Ambiente, Karmenu Vella, afirmou que "não é possível mais continuar adiando" a questão. 

 

O encontro contou com a participação de representantes de Alemanha, Eslováquia, Espanha, França, Hungria, Reino Unido, República Tcheca e Romênia, além da Itália. Esses países arriscam ser punidos pelo bloco por recorrentes violações dos limites de contaminação do ar em algumas de suas principais cidades. 

"Se os países tiverem novas medidas para colocar na mesa, devem fazê-lo no mais tardar até segunda-feira [5]", disse Vella, acrescentando que a Comissão Europeia não hesitará em acionar a Corte de Justiça do bloco contra os nove Estados-membros.

 
 



"Os prazos terminaram faz tempo, e não podemos permitir novos atrasos. Sem medidas novas e eficazes, os limites continuarão a ser superados", reforçou o comissário. Após a reunião, o ministro do Meio Ambiente da Itália, Gianluca Galletti, minimizou a cobrança e declarou que o trabalho para reduzir a poluição do ar no país "vem dando resultados". 

A cada ano, pelo menos 400 mil pessoas morrem prematuramente na UE devido a problemas ligados à contaminação atmosférica. Apenas a Itália, com 60 milhões de habitantes, contabiliza 66 mil falecimentos a cada 12 meses por causas do tipo.

Agência Ansa
 
Criado em 25 Janeiro 2018

Morreu na manhã desta quarta-feira (24) a jovem cascavelense Victoria Maria Gulak Kucinski, 16 anos, filha dos empresários Fábio Kucinski e Ilka Gulak.

Ela caiu do apartamento no prédio na Rua 1101 em Balneário Camboriú, Santa Catarina, por volta das 6 horas da manhã. 

Segundo informações, ela estava caída em uma área comum chamada de diferenciado. O SAMU foi chamado mas ao chegar no local, os socorristas já encontrada a adolescente em óbito.

O corpo foi levado ao IML de Camboriú e está sendo trazido de avião para Cascavel onde será velado e enterrado. Familiares disseram que houve um acidente.



FONTE - GRUPO DE WHATS - PLANTÃO POLICIAL IP/ Blog do Chaguinha

 
Criado em 23 Janeiro 2018

Valor equivalente a cerca de 8% do valor ofertado em prêmios pela Caixa. Nos últimos 4 anos, ganhadores de loterias deixaram de sacar R$ 1,26 bilhão no país.

 Ganhar na loteria não é facil. Mas ser premiado e não retirar o valor é mais comum do que pode parecer. Somente em 2017, R$ 326 milhões deixaram de ser resgatados por ganhadores de prêmios de loterias no Brasil, segundo a Caixa Econômica Federal. O valor equivale a cerca de 8% dos mais de R$ 4,2 bilhões ofertados em prêmios pelas Loterias Caixa no ano passado.

Nos últimos 4 anos, os valores não retirados pelos ganhadores esquecidos ou desatentos na Mega-Sena, Lotofácil, Quina, Lotomania, Timemania, Dupla Sena, Loteca, Lotogol e Federal somam R$ 1,26 bilhão. 

Dinheiro é repassado para o Fies

 

Pelas regras das loterias, os ganhadores de qualquer um dos sorteios da Caixa tem até 90 dias após a realização do concurso para retirar o valor do prêmio. De acordo com a Caixa, "o dinheiro dos prêmios prescritos (não resgatados no prazo) é repassado integralmente ao Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). O programa oferece créditos para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas.

Explicação da Caixa

 

A Caixa não divulga o detalhamento dos prêmios não resgatados, por modalidade ou faixa de valor, mas informa que a maioria do montante refere-se a pequenos valores.

"Na maioria das vezes, esse montante decorre da soma de prêmios de pequeno valor, entre as faixas de menores premiações em cada modalidade", informou o banco.

Questionada pelo G1, a Caixa não informou o maior valor de prêmio não resgatado em 2017. "Os sistemas Caixa somam os valores eventualmente não reclamados e no mês subsequente à prescrição realiza o repasse ao FIES, e desta forma, não dispomos de consulta estruturada por faixa de premiação".

O banco explicou que procura "constantemente" informar e esclarecer os apostadores acerca dos prazos e formas de recebimento dos prêmios. "Para divulgação das informações de recebimento de prêmios são utilizados cartazes nas casas lotéricas, volantes de aposta, bilhete original de aposta e o site da Caixa", explicou.

Dos 17 acertadores da Mega-Sena da Virada, a Caixa informou que duas das 22 cotas do bilhete premiado em Belém ainda não tinham sido resgatadas até segunda-feira (22). Os dois ganhadores 'esquecidos' tem até o final de março para retirar o prêmio individual de R$ 820 mil.

Segundo balanço da Caixa, as loterias federais arrecadaram R$ 13,88 bilhões em 2017. O valor representa uma alta nominal de 8,14% em relação ao mesmo período de 2016 (R$ 12,85 bilhões), mas ainda ficou abaixo da marca recorde de 2015, quando a venda de bilhetes somou R$ 14,9 bilhões.

Dentre as modalidades, a Mega-Sena seguiu em 2017 como o jogo preferido dos apostadores, sendo responsável por 42% da arrecadação, seguida pela Lotofacil (26%) e Quina (18%).

O grande destaque do ano foi a Mega da Virada, que ofereceu o maior prêmio da história das loterias da Caixa. Os R$ 306,7 milhões foram divididos entre 17 apostadores, quantidade também recorde para o concurso especial, que ainda registrou a maior arrecadação por concurso, de mais de R$ 890 milhões.

Além dos mais de R$ 4,2 bilhões ofertados em prêmios pela Caixa no ano passado, outros R$ 6,5 bilhões foram destinados aos cofres do Tesouro Nacional, sendo R$ 1,08 bilhão arrecadados diretamente como Imposto de Renda sobre os prêmios pagos, R$ 1,29 bilhão para a Educação e R$ 1,06 bilhão para o Esporte.

Pelas regras das loterias federais, uma parte do valor arrecadado com as apostas é repassado ao governo federal e para as áreas de educação, segurança, cultura e esporte.

Confira abaixo os valores repassados em 2017 para o governo federal e áreas sociais:

Esporte

 

  • Ministério do Esporte: R$ 525,1 milhões
  • Clubes de Futebol: R$ 114,6 milhões
  • Comitê Olímpico Brasileiro (COB): R$ 223,8 milhões
  • Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB): R$ 131,7 milhões
  • Confederação Brasileira de Clubes (CBC): R$ 62,5 milhões

 

Educação

 

  • Fundo de Investimento do Estudante Superior (FIES): 1,29 bilhão

 

Cultura

 

  • Fundo Nacional da Cultura (FNC): R$ 384 milhões

 

Segurança

 

  • Fundo Penitenciário Nacional (Funpen): R$ 417 milhões

 

Seguridade

 

  • Seguridade Social: R$ 2,3 bilhões

Outros

 

  • Saúde e Testes Especiais (APAE e Cruz Vermelha): R$ 14,7 milhões

 

Receita Federal

 

  • Imposto de Renda sobre prêmios pagos: R$ 1,07 bilhão

G1

 
 
Criado em 23 Janeiro 2018

Acidente aconteceu na Praia do Pina e uma pessoa foi socorrida para o Hospital da Restauração. Dois dos ocupantes eram funcionários de empresa que presta serviços para a TV Globo e o terceiro, da Aeronáutica.

O Globocop, helicóptero que presta serviço à Globo em Pernambuco, caiu na manhã desta terça-feira (23), na Praia do Pina, na Zona Sul do Recife. O acidente ocorreu por volta das 6h05 (horário local). De acordo com informações do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), três pessoas estavam na aeronave. Duas delas morreram e uma foi encaminhada para o Hospital da Restauração (HR), na área central da capital.

Dois dos ocupantes eram funcionários da empresa Helisae, que presta serviços para a TV Globo há mais de 15 anos. O helicóptero era pilotado pelo comandante Daniel Galvão, que morreu no local. Também estavam a bordo a 1ª sargento da Aeronáutica Lia Maria Abreu de Souza, que chegou a ser socorrida, mas faleceu, e o operador de transmissão Miguel Brendo Pontes Simões, que se encontra em estado grave no HR.

Segundo o diretor geral do hospital, Miguel Arcanjo, Miguel Brendo chegou na unidade de saúde com uma condição muito grave, mas a equipe médica conseguiu estancar a hemorragia. O operador apresenta politraumatismo com uma lesão grave na face. Ele passou por mais de cinco horas de cirurgia e os médicos não descartam novos procedimentos.

“Ele teve um sangramento importante, que, no momento, está estável, mas ele tem múltiplas faturas. Ele é um paciente extremante grave e tudo que é possível está sendo feito. Ele irá para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde tentaremos estabilizá-lo”, explicou o diretor geral do HR.

 

Em nota, a Aeronáutica informou que uma equipe do Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa II) investiga os fatores contribuintes para o acidente. O texto aponta ainda que a sargento Lia pertencia ao efetivo do Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta III), mas não estava em missão oficial e sim a convite da empresa.

Investigadores do Seripa informaram no local do acidente que o rotor de cauda estava partido e que vão apurar se isto tem relação com a causa do acidente. Imagens dos prédios no entorno devem ser utilizadas para auxiliar no entendimento de como ocorreu a queda da aeronave.

Por se tratar de um acidente aéreo, a Polícia Federal também vai investigar as causas da tragédia. “O prazo inicial do inquérito é 90 dias. Vamos instaurar um procedimento e recolher todos os indícios, junto com os demais órgãos, para esclarecer o que aconteceu”, afirmou o delegado da Polícia Federal Dário de Sá Leitão.

 (Foto: Arte/G1)

 G1

 
Criado em 23 Janeiro 2018

O Facebook anunciou, nesta segunda-feira (22), que seus esforços para impedir a interferência estrangeira na eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016 foram insuficientes e pediu desculpas pelo fato. 

O gerente de engajamento do site, Samidh Chakrabarti, afirmou que o pleito daquele ano forçou a empresa a enfrentar muitas críticas e confrontar questões duras sobre o papel que desempenhou na divulgação das informações falsas. 

Para combater as notícias falsas, a rede social está lançando uma série de medidas, sendo uma delas a ajuda dos usuários para determinar o que são fontes confiáveis, anunciou Mark Zuckerberg, criador do site, em seu perfil oficial.

Usuários serão questionados em relação as fontes dos conteúdos compartilhados. A medida tem como objetivo melhorar o feed da rede social, trazendo informações mais concretas e de melhor qualidade. 


Por enquanto os testes estão sendo realizados nos Estados Unidos. (ANSA)

Agência Ansa
 
Criado em 22 Janeiro 2018

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2006 da Mega-sena, realizado na noite de sábado (20) em Itupeva (SP), e o prêmio de R$ 15 milhões acumulou. Para o próximo sorteio, na quarta-feira (24), a previsão da Caixa Econômica Federal é de R$ 20 milhões. 

As dezenas sorteadas foram: 01, 09, 14, 20, 25 e 54. Ao todo, 71 apostas acertaram cinco dezenas e levarão o prêmio de R$ 31.319,78 cada. Na quadra, foram premiadas 5.500 apostas, com prêmio de R$ 577,58 cada. 

Para concorrer, a aposta mínima, de 6 números, custa R$ 3,50. Os sorteios da Mega-Sena ocorrem duas vezes por semana, às quartas e aos sábados.

Agência Brasil
 

Pagina 3 de 6

<< Iniciar < Ant 1 2 3 4 5 6 Próx > Fim >>