Criado em 14 Março 2018

O Brasil está mais triste. Quem garante isso é a ONU (Organização das Nações Unidas), em um relatório publicado nesta quarta-feira (14), que vê o País cair da 22ª posição do informe do ano passado para a 28ª posição na edição de 2018. 

Pelo estudo, liderado pelo economista Jeffrey Sachs, a Finlândia é o "país mais feliz do mundo". Na outra ponta do ranking de 156 países está o Burundi. 

A classificação leva em conta a pontuação uma pesquisa de opinião com a população local conduzida pela Gallup World Poll, mas também o Produto Interno Bruto (PIB) per capta, programas sociais, expectativa de vida, liberdades sociais, generosidade da população e índices de corrupção.

 
 



Os escandinavos dominam as primeiras posições. Além da liderança finlandesa, o ranking traz a Noruega no segundo lugar, seguido por Dinamarca e Islândia. 

Os Estados Unidos também caíram, da 14ª para a 18ª posição. O Reino Unido vem na 19ª colocação, seguido pelos Emirados Árabes. 

No caso do Brasil, o País somou 6,4 pontos no ranking final, contra 6,6 pontos na classificação do ano passado. 

O informe, que cobre o período entre 2015 e 2017, mostra que 36% dos brasileiros revelaram nas pesquisas que sua renda não atendia todas suas necessidades básicas - 15% da população afirmou ter sido alvo de violência, um fator que teria pesado negativamente para o Brasil. 

A pesquisa também apontou que mais de 15% dos brasileiros "aspiravam" deixar o País, uma taxa superior à da Argentina. 

No informe que cobria os anos 2014 e 2015, o Brasil era "mais feliz" do que França, Espanha e Itália. 

No caso da América Latina, os autores do informe apontam que as pesquisas revelaram a importância que os entrevistados deram para a relação com amigos e a visita requente a parentes.

Agência Estado