Criado em 07 Maio 2018

Brasileiros que ficaram mais de três eleições sem votar ou justificar a ausência têm até a próxima quarta-feira (9) para regularizar a situação. Para efeito dessa contagem, cada turno de um pleito representa uma eleição. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quase 1,9 milhão de eleitores estavam em situação irregular no país em maio de 2017.

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/politica/5504835/prazo-para-regularizar-titulo-de-eleitor-termina-dia-9 ou as ferramentas oferecidas na página. 
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

 
Criado em 03 Maio 2018

O Concurso 2.036 da Mega-Sena, com prêmio previsto de R$ 20 milhões, foi sorteado na noite de quarta-feira (2) em Xanxerê (SC). Nenhum bilhete acertou os seis números. Confira as dezenas sorteadas: 07 - 08 – 19 - 23 – 27 – 58. 

Noventa e um ganhadores acertaram a quina e cada uma levará um prêmio de R$ 21.948,81. Mais de 6,6 mil bilhetes acertaram quatro dezenas e levam um prêmio de R$ 427,46 cada. 

O próximo concurso, que será sorteado no sábado (5), tem um prêmio estimado em R$ 22 milhões. As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) nas lojas lotéricas credenciadas pela Caixa em todo o país.

 
Agência Brasil
 
Criado em 27 Abril 2018

A Aeronáutica Civil da Colômbia apresentou na manhã desta sexta-feira (27) as conclusões do relatório final sobre o desastre com o avião da LaMia que caiu no dia 28 de novembro de 2016 (dia 29, pelo horário de Brasília) levando a delegação da Chapecoense e deixando 71 mortos. A investigação confirma que o combustível do avião era insuficiente para o voo entre Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia, e que a empresa aérea não se preparou adequadamente para o voo internacional. 

A pane, de acordo com as investigações, começou 40 minutos antes de o avião cair. Os pilotos sabiam disso. O contrato do voo previa escala entre São Paulo e o aeroporto de Medellín, mas a empresa planejou viagem direto, o que não foi permitido pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). 

Então, a delegação do time catarinense pegou um voo de São Paulo até Santa Cruz de la Sierra e, da cidade boliviana, embarcou no voo da LaMia em direção a Medellín. As normas internacionais de aviação exigem que um voo deve ter combustível acima do necessário para fazer o trajeto programado, com sobra para alcançar um aeroporto mais próximo e ter ainda condições de manter o voo por ao menos 30 minutos.

Desta forma, o avião da LaMia deveria contar com pelo menos 11.603 quilos de combustível. Mas, de acordo com o relatório final, havia apenas 9.300 quilos. "O avião caiu por falta de combustível", informou os representantes da aeronáutica civil da Colômbia, sem meias palavras. "Os quatro motores da aeronave pararam de funcionar, o que provocou a queda. Pararam de funcionar por falta de combustível". 

Além de apontar a causa que levou a queda do avião, os representantes colombianos listaram algumas recomendações aos agentes e operadores aéreos para que acidentes por esse motivo nunca mais aconteçam. Citaram a necessidade de aumentar e divulgar as recomendações de segurança e tornar público planos e condições de voos para viagens internacionais. 

Outra recomendação dada após as investigações foi revisar as operações de voos e de segurança internacionais, assim como fortalecer os padrões e a documentação de trânsito aéreo entre países, de modo a fazer com que as instituições responsáveis se sintam no direito de autorizar ou recusar planos de voos. 

A Chapecoense disputaria em Medellín a decisão da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. Seria o jogo de ida, que não chegou a ser realizada. O avião da LaMia levava a delegação da equipe brasileira, com dirigentes, membros da comissão técnica e jornalistas. O avião bateu na parte mais alta do chamado Morro Sucio, próximo a Medellín, antes de chegar ao aeroporto, perdeu sua parte traseira e foi se desintegrando. 

As investigações apontaram ainda algumas conclusões sobre a queda: a apesar de o plano de voo prever escala entre São Paulo e o aeroporto de Medellín, a empresa planejou voo direto; antes de cair, cerca de 40 minutos, o avião já voava em situação de emergência e tripulação manteve os padrões de voo normal; houve indicação, luz vermelha e avisos sonoros na cabine dos pilotos; o controle de tráfego aéreo desconhecia a situação de risco do avião e sua possibilidade de queda por falta de combustível; a tripulação era experiente e tinha toda a documentação necessária de voo e trabalho em dia; a LaMia estava em situação financeira precária, atrasava salários e tinha má organização de voo; a empresa não cumpria determinações das autoridades da aviação civil em relação ao abastecimento de combustível. 

Os coordenadores da investigação concluíram que a empresa se valia com frequência dessa "péssima prática" de voo, sem se preparar adequadamente para voos mais longos e internacionais, voando com combustível na conta. O relatório, assim, conclui que o acidente poderia ter sido evitado.

Agência Estado
 
Criado em 27 Abril 2018

As pessoas que fazem parte do público-alvo da campanha de vacinação contra a dengue têm até este sábado (28) para receber a terceira dose da vacina. Nesta etapa, cerca de 110 mil pessoas estão aptas a completar sua imunização contra a dengue nos 30 municípios selecionados para a campanha. Até esta quinta-feira (26), cerca de 30 mil pessoas haviam sido vacinadas, 27% da meta.

O secretário estadual da Saúde, Antônio Carlos Nardi, reforça a importância das pessoas completarem o esquema vacinal para garantir imunidade. “Só com as três doses da vacina a imunização contra a dengue está garantida, por isso é importante que as pessoas aproveitem a oportunidade para se vacinar”, disse Nardi.

Ele reforça que o benefício não é apenas individual. “Ao se proteger, a pessoa ajuda a reduzir a circulação viral e assim protege toda comunidade”, destacou o secretário.

Desde que foi iniciada a campanha de vacinação contra a dengue no Paraná, em 2016, o número de casos foi reduzido drasticamente. Desde então, foram confirmados 1.506 casos da doença, enquanto no período entre agosto de 2015 e julho de 2016 o Estado enfrentou sua pior epidemia, com mais de 56 mil confirmações da dengue.

“Temos clareza da segurança e eficácia da vacina e estamos monitorando todas as pessoas vacinadas sem registrar nenhum caso grave de dengue”, disse Nardi.

Estão sendo realizados estudos de efetividade e segurança da vacina nos 30 municípios que receberam a campanha. Além de técnicos da Secretaria de Estado da Saúde, participam dos trabalhos profissionais da Universidade Federal do Paraná (UFPR), do Hospital Pequeno Príncipe de Curitiba, representantes do Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Instituto Sabin e pesquisadores da Santa Casa de São Paulo e Universidade de São Paulo (USP).

META – Dos 30 municípios que fazem parte da campanha, nove vacinaram mais que 60% do público-alvo. Cruzeiro do Sul (78%), Iguaraçu (75%) e Cambará (73%) são as três cidades com melhores índices de cobertura vacinal. Catorze municípios estão com índices entre 30% e 60%.

A situação é mais preocupante nas seis cidades com cobertura vacinal menor que 30%, principalmente nos municípios que têm índices abaixo de 20%, como Mandaguari (7%), Paranaguá (14%) e Londrina (17%).

Nesta etapa da campanha, a vacinação é limitada a pessoas que já tomaram a primeira e a segunda doses. Em Paranaguá e Assaí, o público-alvo da vai de 9 a 44 anos. Nas outras 28 cidades que fazem parte da campanha, a população a ser vacinada abrange pessoas de 15 a 27 anos, faixa etária que concentra 30% dos casos de dengue no Estado.

 
Criado em 04 Abril 2018

Os deputados federais, estaduais e distritais que querem mudar de partido para se candidatar nas eleições deste ano, sem o risco de perder o mandato, têm prazo até sexta-feira (6). O período que permite a troca, denominado "janela partidária", começou no dia 8 de março. Ele não beneficia vereadores, porque não haverá eleições este ano na esfera municipal. 

De acordo com a Lei dos Partidos Políticos e a Resolução 22.610/2007 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que trata de fidelidade partidária, parlamentares só podem mudar de legenda nas seguintes situações: a incorporação ou fusão do partido, criação de novo partido, o desvio no programa partidário ou grave discriminação pessoal. Mudanças de legenda sem essas justificativas são motivo de perda do mandato. 

Segundo o TSE, a reforma eleitoral de 2015 incorporou à legislação uma possibilidade para a desfiliação partidária injustificada no Artigo 22º da Lei dos Partidos Políticos. Com isso, os detentores de mandato eletivo em cargos proporcionais podem trocar de legenda nos 30 dias anteriores ao último dia do prazo para a filiação partidária, que ocorre seis meses antes do pleito.

A troca partidária, contudo, não muda a distribuição do Fundo Partidário e o acesso gratuito ao tempo de rádio e televisão. Esse cálculo é proporcional ao número de deputados federais de cada legenda. A única exceção a essa regra é o caso de deputados que migrem para uma legenda recém-criada, dentro do prazo de 30 dias contados a partir do seu registro na Justiça Eleitoral, nela permanecendo até a data da convenção partidária para as eleições subsequentes.
 
Agência Brasil
 
Criado em 15 Março 2018

queimaduras sofridas por uma criança de um ano em uma creche de Campo do Tenente, na Região Metropolitana de Curitiba, devem ter sido provocadas por água, afirmou nesta quarta-feira (14) o cirurgião plástico José Luiz Takaki, que atendeu o bebê no Hospital Evangélico de Curitiba.

Segundo ele, a maior probabilidade é de que a água tenha sido espirrada no corpo do menino. Se fosse outro líquido, as queimaduras poderiam ser mais graves, disse o médico. A criança teve queimaduras de segundo grau superficiais nas mãos, umbigo, parte da coxa e no órgão genital.

Conforme a Secretaria de Educação, o menino foi queimado quando uma estagiária da Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Pequenos Brilhantes dava banho nele na sexta-feira (9). A professora afirmou que estava na sala de aula, cuidando de outras seis crianças.

Os pais contestam a versão da secretaria. "Eu fiquei chocado, não consigo acreditar que foi um chuveiro. Eu acho que eles pegaram ele no colo com um copo e acabou derramando alguma coisa", afirmou Pedro Maciel Ribeiro, pai do menino, no sábado (10).

A direção da creche alegou que houve um problema no chuveiro da unidade, que esquentou demais a água e a estagiária não percebeu. O aparelho foi trocado nesta semana e ninguém soube dizer onde foi colocado.

A diretora da creche, a professora e a estagiária estão afastadas das funções enquanto um processo administrativo apura o caso, conforme a secretaria.

O estado de saúde da criança é considerado estável. O médico contou que ele deve seguir internado, sem previsão de alta.

 

Investigação

De acordo com o promotor Juliano da Silva, que apura o caso, até esta quarta-feira sete pessoas prestaram depoimento ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), em Rio Negro, também na Região Metropolitana de Curitiba.

Ele informou que deu prazo de 15 dias para que a prefeitura encaminhe documentos e o Instituto Médico-Legal (IML) conclua o laudo das lesões corporais da criança. O prazo começa a contar a partir das notificações, que devem ocorrer na quinta-feira (15).

Segundo o promotor, ele tem prazo de 90 dias para encerrar o procedimento investigatório, mas prevê que a conclusão saia em 30 dias.

G1

 
 
Criado em 15 Março 2018

pós pagar fiança de R$ 500, o pai que bateu no filho de um ano e oito meses com um galho de árvore, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, foi solto na manhã desta quarta-feira (14). O valor foi estabelecido pela Justiça em uma audiência de custódia realizada na terça-feira (13).

O caso aconteceu na segunda-feira (12), na Colônia Dona Luíza, e o homem, de 25 anos, foi preso em flagrante após uma denúncia anônima.

A mãe, de 18 anos, chegou a ser levada para a delegacia. Ela foi ouvida e liberada em seguida.

No mesmo dia da ocorrência, o Conselho Tutelar foi acionado e a criança foi entregue aos cuidados da avó paterna.

Ela continua com a avó, e os pais podem visitá-la. Uma possível reintegração à família ainda depende da conclusão das investigações que vão apurar, por exemplo, se a mãe foi conivente com a atitude do pai.

 

Pai disse que bateu ‘para educar’

 

Em depoimento à polícia, o pai disse que o ato foi 'para educar' o menino, que teria fugido do pátio de casa para a rua. Ele afirmou, ainda, que perdeu a cabeça e que bateu entre cinco e seis vezes no filho com a vara.

A agressão, conforme a PM, aconteceu na rua e machucou as costas da criança. O Conselho Tutelar foi chamado e, conforme o órgão, houve um excesso de violência por parte do jovem.

De acordo com o delegado Marcus Vinícius Sebastião, o entendimento é de que houve o crime de tortura.

"Violência contra crianças é crime. Existem outras formas de educação. Ainda mais por se tratar de uma criança que não tem entendimento. Se a criança fugiu, o que não ficou comprovado, é mais um ponto de negligência e de descuido", acrescenta o delegado.

 

 
Criado em 14 Março 2018

O Brasil está mais triste. Quem garante isso é a ONU (Organização das Nações Unidas), em um relatório publicado nesta quarta-feira (14), que vê o País cair da 22ª posição do informe do ano passado para a 28ª posição na edição de 2018. 

Pelo estudo, liderado pelo economista Jeffrey Sachs, a Finlândia é o "país mais feliz do mundo". Na outra ponta do ranking de 156 países está o Burundi. 

A classificação leva em conta a pontuação uma pesquisa de opinião com a população local conduzida pela Gallup World Poll, mas também o Produto Interno Bruto (PIB) per capta, programas sociais, expectativa de vida, liberdades sociais, generosidade da população e índices de corrupção.

 
 



Os escandinavos dominam as primeiras posições. Além da liderança finlandesa, o ranking traz a Noruega no segundo lugar, seguido por Dinamarca e Islândia. 

Os Estados Unidos também caíram, da 14ª para a 18ª posição. O Reino Unido vem na 19ª colocação, seguido pelos Emirados Árabes. 

No caso do Brasil, o País somou 6,4 pontos no ranking final, contra 6,6 pontos na classificação do ano passado. 

O informe, que cobre o período entre 2015 e 2017, mostra que 36% dos brasileiros revelaram nas pesquisas que sua renda não atendia todas suas necessidades básicas - 15% da população afirmou ter sido alvo de violência, um fator que teria pesado negativamente para o Brasil. 

A pesquisa também apontou que mais de 15% dos brasileiros "aspiravam" deixar o País, uma taxa superior à da Argentina. 

No informe que cobria os anos 2014 e 2015, o Brasil era "mais feliz" do que França, Espanha e Itália. 

No caso da América Latina, os autores do informe apontam que as pesquisas revelaram a importância que os entrevistados deram para a relação com amigos e a visita requente a parentes.

Agência Estado
 
Criado em 31 Janeiro 2018

A partir de quinta-feira (1º), os condutores paranaenses poderão acessar a versão eletrônica da Carteira Nacional de Habilitação (CNH-e) pelo celular. O documento tem a mesma validade e valor jurídico do modelo impresso, além de representar maior comodidade e segurança ao motorista. 

 
"A CNH eletrônica armazena todas as informações do documento tradicional, mas é preciso ficar atento ao funcionamento do celular. Em uma fiscalização, se o aparelho estiver descarregado, será considerado que o motorista não está de porte da CNH", explica o diretor-geral do Detran-PR, Marcos Traad. 

"O Paraná vai cumprir a resolução federal, mas tem preocupações quanto à funcionalidade e aplicabilidade do serviço. Por isso, nossa orientação é que o condutor continue usando também a CNH impressa", completa ele.
 
A carteira eletrônica pode ser acessada offline, sem necessidade de conexão com a internet, mas não é possível acessar mais de uma CNH em um único dispositivo. 

A adesão é opcional e pode ser feita através de um cadastro no Portal de Serviços do Denatran. Depois, a visualização é feita por um aplicativo gratuito, que pode ser baixado nos aparelhos com sistema Android e IOS. 

 
Quem pode usar 

O serviço só está disponível para motoristas que tenham a versão da CNH impressa com o QR Code na parte interna. O código escaneável em aparelhos eletrônicos é encontrado nas CNHs emitidas a partir de 2 de maio de 2017. Quem não tem esta versão impressa, pode emitir a segunda via do documento (R$ 82,36) ou esperar o prazo de renovação da habilitação. 

Quanto custa 

O acesso à versão eletrônica é gratuito, bem como a adesão ao sistema do Denatran e o download do aplicativo CNH Digital, na App Store e Google Play. 

Passo a passo para solicitar: 

1- Atualizar o cadastro no Detran, informando e-mail e telefone. 
2- Acessar o Portal de Serviços do Denatran e realizar o cadastro. 
3- Ainda no Portal de Serviços do Denatran, abrir o menu "CNH Digital" e clicar em "Ativação" para receber o e-mail com o código de autenticação. 
4- Baixar o aplicativo "CNH Digital" no celular. O primeiro acesso será com o código de autenticação, depois será possível gerar uma nova senha com quatro dígitos. 
Certificação digital: Quem tiver um certificado digital, como o e-CPF, não precisa comparecer a uma unidade de atendimento do Detran para a atualização de dados e pode fazer a solicitação diretamente no portal do Denatran, seguindo as etapas a partir do passo 2.

Redação Bonde com AEN
 
Criado em 31 Janeiro 2018

A União Europeia deu um ultimato para nove Estados-membros, inclusive a Itália, respeitarem as normas do bloco para limite de poluição atmosférica. Em reunião em Bruxelas, o comissário da UE para Meio Ambiente, Karmenu Vella, afirmou que "não é possível mais continuar adiando" a questão. 

 

O encontro contou com a participação de representantes de Alemanha, Eslováquia, Espanha, França, Hungria, Reino Unido, República Tcheca e Romênia, além da Itália. Esses países arriscam ser punidos pelo bloco por recorrentes violações dos limites de contaminação do ar em algumas de suas principais cidades. 

"Se os países tiverem novas medidas para colocar na mesa, devem fazê-lo no mais tardar até segunda-feira [5]", disse Vella, acrescentando que a Comissão Europeia não hesitará em acionar a Corte de Justiça do bloco contra os nove Estados-membros.

 
 



"Os prazos terminaram faz tempo, e não podemos permitir novos atrasos. Sem medidas novas e eficazes, os limites continuarão a ser superados", reforçou o comissário. Após a reunião, o ministro do Meio Ambiente da Itália, Gianluca Galletti, minimizou a cobrança e declarou que o trabalho para reduzir a poluição do ar no país "vem dando resultados". 

A cada ano, pelo menos 400 mil pessoas morrem prematuramente na UE devido a problemas ligados à contaminação atmosférica. Apenas a Itália, com 60 milhões de habitantes, contabiliza 66 mil falecimentos a cada 12 meses por causas do tipo.

Agência Ansa
 

Pagina 1 de 5

<< Iniciar < Ant 1 2 3 4 5 Próx > Fim >>